Valor das Autoescolas

Publicada em 07-10-14

Aumento passa a vigorar a partir do dia 1º, com obrigatoriedade do uso do simulador de direção determinada pelo DENATRAN

Candidatos a primeira habilitação pagarão mais caro pelo serviço prestado nos Centros de Formação de Condutores (CFC´s). A determinação que estabelece simulações antes do início das aulas de direção em via pública, instituída pela Resolução 444/2013 do CONTRAN, complementada e alterada pela Resolução 473/2014, entrará em vigor a partir do dia 1º de julho e exigirá adequação das autoescolas que serão obrigadas a ministrar aulas nos simuladores.

De acordo com o presidente do Sindicato das Autoescolas e Centros de Formação de Condutores do Estado da Bahia (Sindauto – BA), Abelardo Filho, o reajuste será em média de 20%, o que pode representar uma variação de R$ 300 a R$ 500, a depender do valor praticado em cada CFC. “As empresas terão que fazer altos investimentos para atenderem esta determinação. Infelizmente, a natureza neste negócio não possibilita que o empresariado absorva esses custos sem repassar para a população”, afirma Abelardo Filho.

Além desta mudança, os futuros condutores que desejam enfrentar menos burocracia para conquistar sua primeira habilitação, terão que se antecipar. Também a partir do segundo semestre, as autoescolas só poderão matricular alunos que já tenham realizado as seguintes etapas, junto ao DETRAN-BA: aquisição do laudo e realização do exame médico (avaliação de sanidade física e mental e avaliação psicológica). “O sindicato sempre busca um diálogo no sentido de oferecer melhorias no serviço, mas sem prejudicar a sustentabilidade do negócio nem os alunos. No entanto, as empresas são obrigadas a cumprir as determinações dos órgãos de trânsito, ainda que elas prejudiquem a categoria”, explica o presidente.

Simuladores

Desde 2013, sindicatos de autoescolas de todo o Brasil aderiram ao movimento que visava esclarecer a população sobre a inviabilidade técnica e pedagógica da exigência do simulador de direção. Pesquisas de mercado também foram realizadas e revelaram preços abusivos por parte dos fornecedores dos equipamentos, o que resultaria na quebra financeira de muitas empresas e na oneração do serviço. Em abril deste ano, a categoria conquistou uma vitória na Câmara dos Deputados. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania rejeitou o Projeto de Lei4449/12, que instituiria, legalmente, a obrigatoriedade de aulas em simulador de direção para quem deseja tirar a carteira de motorista. “Nunca fomos contra o simulador como ferramenta pedagógica, apenas não concordamos com a forma que foi determinado, sem que houvesse qualquer participação da categoria nas discussões”, afirma o presidente do Sindauto BA, Abelardo Filho.

Ascom Sindauto Bahia
Frente & Verso Comunicação Integrada